Visitantes Online:  9

Home Page  
 
 
 
     
  « Voltar  
 

 

 
 
A UNIDADE EXPRESSA POR MEIO DA LINGUAGEM DO CORAÇÃO 28/09/2016 - 16:19
A LINGUAGEM DO CORAÇÃO: A UNIDADE EXPRESSA POR MEIO DA LINGUAGEM DO CORAÇÃO
Walfrido S. – América Central – Zona Norte
Depois da publicação do nosso texto básico, Alcoólicos Anônimos, em 1939 se estabeleceu uma prodigiosa reação em cadeia conforme os alcoólicos recuperados levaram a mensagem a outros. Nos anos seguintes, milhares de alcoólicos se uniram aos grupos de AA. e grande parte como resultado da excelente e contínua publicidade dada pelas revistas e jornais de todo o mundo, tendo também o apoio dos clérigos, médicos, psicanalistas, homens de negócios, advogados e de muitos outros profissionais. Contudo esta prodigiosa expansão ocasionou sérias dores de crescimento. Se havia provado que os alcoólicos podiam recuperar-se.

Mas de nenhuma forma estava assegurado que este grande número de pessoas ainda problemáticas pudessem trabalhar em harmonia e com bons resultados. Por todas as partes surgiram ameaçadoras perguntas sobre os requisitos para ser membro, as relações pessoais, as relações públicas, a direção dos grupos, os clubes e várias incertezas mais de toda vasta confusão de explosivas experiências tomaram forma as doze tradições de AA., que se publicaram pela primeira vez em 1946 e foram posteriormente confirmadas na primeira Convenção Internacional acontecida em 1950 em Cleveland.

Hoje em dia estamos unidos em AA., sabemos que vamos permanecer unidos, estamos em paz conosco mesmos e com o mundo que nos rodeia. Temos resolvido tantos de nossos conflitos que nosso destino parece assegurado. Os problemas de ontem têm produzido as bênçãos de hoje.

A nossa história não é uma rotina de êxitos, é a história de como, pela graça de Deus, tem surgido de nossa debilidade uma fortaleza sem suspeitas: de como sob as ameaças de desunião e colapso se tem forjada uma unidade e Irmandade universal. No curso dessa experiência temos desenvolvido uma série de princípios tradicionais pelos quais vivemos e trabalhamos unidos e nos relacionamos como Irmandade com o mundo que nos rodeia. Estes princípios constituem as doze tradições de AA. representam a destilação da experiência de nosso passado, e confiamos nelas para que nos conduzam em unidade através dos obstáculos e perigos que o futuro possa ocasionar.

Nossas tradições são uma guia para melhores formas de trabalho e de vida, e são ao mesmo tempo um antídoto para nossos diversos sofrimentos. As doze tradições são para a sobrevivência e harmonia do grupo o que os doze passos são para sobriedade e paz mental de cada um de seus membros. As tradições garantem a igualdade de todos os membros e a independência de todos os grupos.

As doze tradições também apontam muitos de nossos defeitos individuais. Implicam que cada de nós deve colocar de lado seu orgulho e ressentimento. Pedem sacrifícios pessoais e da comunidade. Nos pedem que nunca usemos o nome de AA. em nenhuma iniciativa que busque poder pessoal, fama ou dinheiro. Nos mostram a forma em que melhor podemos relacionar entre nós mesmos e com o mundo que nos rodeia. Nos indicam a melhor forma de funcionamento e harmonia como um grande todo. Com o propósito do bem estar de toda nossa Irmandade, as tradições pedem que cada indivíduo, cada grupo e cada região de AA. desapeguem de todos seus desejos, ambições e ações que podem ocasionar sérias divisões entre nós ou a perca da confiança que deposita em nós o mundo em geral.
As doze tradições simbolizam o caráter de sacrifício de nossa vida em comum e são a maior força de unidade que conhecemos.

Em um discurso pronunciado por Bill W. perante a terceira convenção anual regional do sudeste, celebrada em Memphis, Tennesse, em 19 de setembro de 1947, na parte final, depois de expor as doze tradições, disse o seguinte:
“Para resumir: Para milhões de alcoólicos que ainda estão por vir, AA. tem uma solução. Mas há uma condição. Devemos conservar a todo custo nossa unidade; temos que conseguir que seja totalmente segura. Sem a unidade permanente, pode haver pouca recuperação duradora para alguém. Por conseguinte, nosso futuro e depende completamente da criação e a observância de uma firme tradução de grupo. Sempre haverá que colocar primeiro o primeiro: a humildade antes que o êxito e a unidade antes da fama”.

(Fonte: Relatório Anual de Alcoólicos Anônimos do Brasil – XXXIX Conferência de Serviços Gerais – Páginas: 167 – 168)