Visitantes Online:  3

Home Page  
 
 
 
     
  « Voltar  
 

 

 
 
O QUE FAZER PARA QUE OS JOVENS PERMANEÇAM EM A. A. 27/09/2016 - 17:55
O QUE FAZER PARA QUE OS JOVENS PERMANEÇAM EM A. A.
Piotr M. – Polônia
Meu nome é Piotr e eu sou um alcoólico e delegado de segundo termo da Polônia. Eu gostaria de agradecer o seu amável convite para que eu fizesse esta apresentação. É um grande privilégio estar no serviço dessa Irmandade que salvou minha vida.

Quando eu soube que iria falar sobre o que fazer para que os jovens permaneçam em A. A., a primeira pergunta que me veio à mente foi “por que eu?” eu não sou mais jovem e eu não acho que era jovem quando vim a minha primeira reunião de A. A. com a idade de trinta anos. Depois eu pensei por alguns instantes, e eu lembrei daqueles primeiros dias sóbrio, eu lembrei o quão desgastado eu estava e eu senti que poderia ficar sem ingerir bebida alcoólica pelo resto da minha vida. Naquele momento eu imaginei que eu poderia viver 80 anos, o que significava 50 anos sem ingerir bebida alcoólica. “Eu sou tão jovem!” Exclamei naquele instante. Então, como é que nós determinamos, isso se for possível, o que significa ser jovem em A. A.? Qual é a idade correta para chamar você de jovem? O número de anos que você bebeu significa algo? Ou como você calcula isso estatisticamente? Isso interessa ou não? Eu posso assegurar que eu não tenho condições de responder a estas perguntas difíceis?

Enquanto eu estava preparando esta palestra, eu passei algum tempo conversando sobre este tema com muitos companheiros de A. A., para que eu compreendesse melhor, pois eles vieram para A. A. jovens. Durante a nossa recente comemoração pelo 40 anos de A. A. na Polônia, em agosto passado, eu tive a oportunidade de participar da reunião para “jovens”, tentando aprender o máximo possível sobre o assunto. A maioria dos palestrantes disse que veio para nossa irmandade com idades entre 22 e 24 anos. Alguns deles ficaram e se recuperaram e alguns permaneceram mais alguns anos bebendo, mas depois retornaram a A. A.

A maioria de nós ouviu falara das reuniões para “jovens do sexo masculino”. Aparentemente se elas estão relacionadas na lista local endereço de grupos, é porque elas são necessárias. Mas e se elas são as únicas reuniões disponíveis em um determinado tempo, em uma cidade? Você hesitaria, ficaria se perguntando e se você seria aceito ou não no grupo? Uma pergunta que logo vem à mente é: o que isso tem a ver com as nossas Tradições, especialmente a Terceira tradição? “O único requisito para ser membro de A. A. é o desejo de parar de beber”; ou, na forma longa” Nossa irmandade deve incluir todos os que sofrem de alcoolismo. Não podemos, portanto, recusar quem quer que deseje se recuperar”. Mesmo que eu fosse jovem demais para compreender a expressão tratamento “especial” em A. A., ou talvez eu fosse ao mesmo tempo contra qualquer grupo de propósitos especiais ou composição especial com interesses alheios ao alcoolismo, isto é, gênero, idade, raça, profissão, preferência sexual; poderiam grupos desse tipo ser a solução para jovens membros?

O que faz um jovem permanecer em A. A.? O que eles dizem que funcionou para eles? Uma dessas respostas mais comum é que o jovem precisa chegar ao fundo do poço e ter medo de voltar a beber, com todas as suas consequências. É provável que você tenha encontrado alguém que tenha frequentado as reuniões de A. A. por algum tempo, depois teve uma recaída e nunca mais retornou. Alguns deles morreram. Outros simplesmente desapareceram e ninguém sabe onde eles estão. Quaisquer que sejam as circunstâncias, o medo do poder devastador do álcool parece ser o grande motivador para alguns. Quando você atinge o fundo do poço, desesperado, você sente o desejo de fazer qualquer coisa para mudar sua vida miserável. Isso me lembra de uma passagem no livro A. A. atinge a maioridade, tirado das palavras de abertura da Convenção em Sant Louis, Missouri, Estados Unidos da América, em a955. Ele diz:” Em A. A. temos dois grandes ditadores, e nós nos beneficiamos e crescemos através de ambos. Um deles é a bebida alcoólica, que nunca está longe de nosso alcance. O outro é o Pai das Luzes, que preside a todos os homens. Deus está nos dizendo: “Aprenda minha vontade e a pratique,” e a bebida alcoólica está dizendo para cada um de nós: “É melhor você fazer a vontade DE Deus, ou eu o matarei!”.

Uma outra característica muito comum entre os jovens é o sentimento de verdadeira amizade, principalmente em lugares onde não havia muitas reuniões semanais. É também de grande importância ter um membro do grupo que dê as obas vindas quando você entra em sua primeira reunião de A. A. alguém que aperte sua mão e que converse com você por um momento. Mesmo que seja antes ou depois da reunião. É importante convidar o novato (a) para sair e tomar um chá ou café e às vezes convidar para casa de algum companheiro para um churrasco com sua família e outros membros de A. A. Passando tempo juntos ajuda a superar o devastador sentimento da solidão que todos nós temos experimentado durante nossos primeiros dias de
sobriedade. Pessoalmente, depois de minha primeira reunião de A. A., eu fiquei absolutamente surpreso de que alguém lembrasse o meu nome... Isso não é algo interessante? Também, indo para convenções onde a alegria e a felicidade de milhares é tão livremente compartilhada, ajuda muito. Esses eventos ajudam a atrair muito mais jovens do que as reuniões regulares dos grupos e as probabilidades de se encontrar membros mais jovens é ainda maior. As convenções também ajudam a demonstrar que as promessas no livro Alcoólicos Anônimos estão sendo cumpridas.
Encontrar a pessoa certa para conversar, não necessariamente um padrinho ou madrinha, mas alguém da mesma idade que compreenda e fale “A Linguagem do Coração”, também funciona muito. Parece ser mais fácil encontrar características comuns em pessoas da mesma idade.
Alguns companheiros relatam que o envolvimento imediato no serviço é muito útil aos jovens. Compartilhando com aqueles que já serviram, os bons exemplos são encorajadores. O serviço no grupo permite ao membro se sentir parte. Não interessa o que você faz pelo seu grupo, você sempre adquire esta experiência maravilhosa depois daqueles anos de busca individual e de autodestruição no alcoolismo.
O desejo sincero de mudar sua vida arruinada surge logo quando você começa a trabalhar o Primeiro Passo. Comparando a vida de um recém chegado com a daqueles que já se encontram no programa e vê-los gerenciar suas próprias vidas dá uma maior perspectiva e oferece uma variedade de sugestões simples de como continuar sóbrio. Com frequência você escuta a mensagem “como nós éramos, o que aconteceu e como estamos agora”, e se a ênfase é dada na mudança honesta na vida de um palestrante, como resultado da prática do Programa de Doze Passos, a esperança floresce.

Aparentemente, há muitas coisas que podemos fazer para que os jovens permaneçam em A. A. Algumas dessas sugestões provaram ser de grande ajuda, especialmente no início, quando você ainda não sabe que caminho seguir ou o próximo quando você está em uma encruzilhada. Mas quando você olha para o passado, você observa e compreende que elas servem também para pessoas não tão jovens. Isto quer dizer que a idade em A. A. não é tão importante? Isto quer dizer há apenas um programa e uma só irmandade que salva nossas vidas, apesar das diferenças? Nós não ouvimos em quase todas as reuniões que nós somos “uma Irmandade de homens e mulheres...”?

E para encerrar, um pensamento. Entre as pessoas com quem conversei havia uma companheira, que vem sendo acompanhada pela sua madrinha. Ela ajuda outros e está atuando no Terceiro Legado há alguns anos. Ela experimentou a maioria das coisas sobre as quais relatei como parte de sua sobriedade. Ela me fez compreender que eu ainda necessito muito tempo para observar mais realizações em A. A. Eu perguntei a ela quais as três coisas mais importantes que ela fez para permanecer na irmandade de A. A.? Ela pensou por um momento e respondeu: “eu não sei; Eu penso que Deus fez isso.” Agora, após rever este pequeno artigo, eu devo admitir que se fosse para preparar uma palestra sobre como fazer para os jovens permanecerem em A. A., em vez de escrever centenas de palavras, eu poderia escrever:” Eu não sei, eu acredito que Deus sabe a resposta.”

(Fonte: Relatório Anual de Alcoólicos Anônimos do Brasil – XXXIX Conferência de Serviços Gerais – Páginas: 161 – 162 e 163)